quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

das coisas favoritas:





ficar no seu colo.
ganhar beijinho no pescoço.
massagem no pé.
abraço apertado.
colo quentinho.
beijo no peito.
pé encostado.
cafuné.
palavras de amor.
beijo na mão.
mão na mão.
mão no cabelo.
beijo na alma.
respiração forte.
anoitecer com você.
seu sorriso.
sua gargalha.
seu toque.
seu beijo.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

"the pebbles forgive me, the trees forgive me, so why can't you forgive me? i don't see what anyone can see in anyone else but you"


eu fico contando os minutos depois das 22h para ver você entrar pela porta de casa...
com seu demasiado cansaço você me beija e me abraça...

quero te ver logo. quero te ver já.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

o peso nas suas costas é a última moda


férias do trabalho: como isso é infinitamente legal! mesmo sendo obrigada (ainda) a programar o despertador.
ontem passei pela livraria e comprei dois livros que não era da bibliografia da faculdade... quanto tempo eu não fazia isso?
mas depois percebi que só comprei eles por influência da faculdade... tsc tsc  

dias desses descobri que fui parar num livro de poesia. era uma referência de dor (pra mim).
descobri também que não gosto de chá de camomila. mas gosto de chá verde (gelado).
emagreci 8 quilos. e já caibo num tamanho P.


sinto saudade quando ele sai e me deixa em casa. sinto saudade quando chego em casa e ele não está.

o vizinho de cima fica me infernizando com uma bateção chata de martelo. e eu não me animo para sair de casa: em tempos de seca lá fora fica insuportável, beirando o inferno - se o inferno for do tipo quente, digo.

confirmei minha participação num sorteio pra ganhar uma tatuagem.
por mais que eu ande em linha reta, eu sempre faço uma curva.
 

novembro: seja bom comigo.


quinta-feira, 25 de setembro de 2014

oh she maybe weary

sobre o cansaço que ficou em minha pele.
em meus ossos.

a primavera finalmente chegou e não estou tão certa se agosto foi mesmo um desgosto.
pareço minha máquina de lavar brastemp no modo molho + agitar.

as provas estão aí, e logo sigo em frente.

e a única que espero deixar pra trás são os quilos a mais, além da habitual (ou não) angústia.

além do mais, os beijos afetuosos que daniel me dá na testa me salvam.

 

quinta-feira, 5 de junho de 2014

carta provisória

um pedaço de mim fica com você todas as manhãs quando saio pra trabalhar.
já faz algum tempo que você mudou meu trajeto.
o caminho não é tão longo, não é tão cansativo.   eu penso menos. eu vivo mais ao seu lado.
já faz um bom tempo que você mudou meus sonhos, que você tem realizado pouco a pouco cada um deles. já faz um tempo que você caminha contracorrente comigo. e que você não larga a minha mão.
já há algum tempo você me colocou na garupa da sua moto, me mostrou largos jardins de flores lindas brilhando com o sol radiante e calmo - como nossos corações.
aquele vento embaraçando meus cabelos, o cachecol roxo esvoaçante e minhas mãos apertando seu peito.

conto pra você meus medos, e você me acolhe no seu colo, me protege.
me ama com delicadeza, me toca com profundo amor e me mostra isso olhando nos meus olhos.
é gentil, paciente, sincero.
é poeta, cantor, gaitista. é meu amor.

já faz um tempo em que a porta daquele quarto está trancada. já faz um tempo que me fragmentei para ser sua.
há algum tempo, esqueci minhas malas em casa e tenho outro lar. outros pêlos, outras cores.
já faz algum tempo que não sou a mesma, que a velocidade tem baixado e me tornei mulher de um homem só.
todo dia meus pés procuram os seus e nos encaixamos até o amanhecer, não importa pra que lado estejamos, alguma parte nossa tem que estar junto.

você me surpreende com pequenas coisas, com palavras doces. você alegra meu dia.

agora você chegou em casa. me abraçou. e contou que estava com saudade.
outro dia escrevo outras coisas. agora vou ficar com você.

terça-feira, 27 de maio de 2014

cheguei em casa cansada. exausta.
demorei uns 20 minutos pra estacionar o carro na nova garagem. e depois de conseguir, chorei.
não sabia mais como tiraria o carro da garagem. aquela garagem é uma bosta.

terça-feira, 13 de maio de 2014

"um tiro no coração, despedaçou, no asfalto um arco-íris dos seus lábios sem cor, e o que restou, um armário sem vestidosu, um vaso sem flor"





"você me deixou. eu vi você sair sem dizer pra onde foi. e o que restou vai ficar comigo e a saudade depois"